10 de julho de 2009

DE MALAS FEITAS A CAMINHO DO FESTIVAL EROTICO MEDIEVAL



Já temos as primeiras fotos do Festival Erotico Medieval que teve inicio ontem e decorrerá até o proximo domingo.


Já de malas feitas, estarei no espaço da SENSUAL EMOTION onde mostraremos os produtos sensuais mais recentes, se estiver por perto, deixo o
convite VISITEM-NOS...fica o link fotos para aguçar o desejo...

http://picasaweb.google.com/festivaleroticomedieval/FestivalMedievalErotico?feat=embedwebsite#5356544655883701026


SABER MAIS sobre a MULHER na IDADE MÉDIA...



Na época Medieval, o papel da mulher estava relacionado com a sua posição social. Assim, a mulher do povo tinha um papel activo, pois trabalhava nos campos (embora em tarefas mais leves), enquanto que a mulher da nobreza assumia um papel passivo, obedecendo ao pai ou ao marido, consoante a sua situação civil.
Mas, independentemente da sua posição social, todas as mulheres viviam subordinadas aos homens e tinham duas funções em comum: a lida da casa e a educação dos filhos. Era inaceitável que uma mulher interviesse política ou militarmente na sociedade, uma vez que estas eram consideradas funções masculinas.

A Igreja Católica assumiu uma posição particularmente ambígua e hipócrita, relativamente ao papel da mulher na sociedade. Se por um lado a comparava a Eva (representação do pecado), por outro, exigia que fosse uma mãe bondosa e carinhosa, assemelhando-a à Virgem Maria. Neste sentido, a mulher tinha que corresponder a um ideal de mulher caridosa, discreta, prudente e casta, senão seria considerada perturbadora da sociedade.
A mulher da nobreza assumia um papel preponderante na família. Como filha, limitava-se a acatar a vontade do pai que negociava o seu dote e o seu casamento (caso fosse a filha mais velha), pelas vantagens que lhe traria. Como esposa, teria que assegurar a linha de sucessão da família e era vigiada pelo marido, de modo a assegurar a legitimidade dos seus filhos. Só assumiam um papel mais preponderante gerindo propriedades e administrando os bens caso o marido fosse para a guerra ou falecesse. Já as filhas segundas não casavam, podendo permanecer na casa dos seus irmãos, se estes assim o permitissem, ou teriam que ir para um convento, tornando-se evangelizadoras ou copistas.

Em Portugal, a participação das mulheres da nobreza na política e na guerra era entendida como nefasta. Esta posição reflecte-se claramente nas cantigas de escárnio e maldizer, onde aquelas que pretendem traçar o seu caminho eram alvo de troça.
Quanto à mulher do povo, cabia-lhe tomar conta da casa e dos animais. Era também conhecedora de ervas para unguentos e emplastros, revelando-se aqui uma preocupação da mulher face à beleza e saúde. E, mais tarde, numa tentativa de anular o papel da mulher até da medicina popular, viria a ser considerada bruxa e alvo de perseguição por parte da Igreja Católica.
A mulher do povo que residia nos centros urbanos prestava serviços e comerciava, mantendo-se o carácter produtivo da mulher deste estrato social. No entanto, era alvo de discriminação, em relação aos homens, nos serviços prestados, onde era sempre menos remunerada ou recompensada.
À mulher do povo era vedado o acesso ao ensino universitário, pelo que o papel na educação dos filhos limitava-se ao ensino elementar (gramática e latim), dado que muitas mulheres da burguesia frequentavam o ensino elementar.
Desde o início da Idade Média até ao século XIX, verificou-se um anti-feminismo acentuado, em que o papel da mulher na sociedade se cingia essencialmente às funções de procriação, fidelidade aos maridos, lides domésticas e educação (embora precária) dis filhos. Estes parcos estatutod eram-lhes concedidos pelo pai, pelo marido e por uma instituição fundamental da sociedade medieval, a Igreja Católica.

Texto de Joana Recharte no blog http://alternativaequal.blogspot.com/

2 comentários:

São Rosas disse...

Boa viagem, cachopa. Vais estudar a tua tese na tenda?

:O)

L. disse...

Menina,
Eu vi o anuncio desse festival e fiquei com muuuuita vontade de me deslocar daqui do Rio para sua terrinha.
Deve ter sido muito legal.
Um beijo,
L.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...